Piracicaba tem 52º maior PIB do país, segundo IBGE


Jornal de Piracicaba, Danielle Gaioto, sexta-feira, 12 de dezembro de 2014 12h05

 

Entre os 100 maiores municípios brasileiros, Piracicaba foi o 52º que mais produziu riquezas ao longo de 2012, divulgou ontem o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O PIB (Produto Interno Bruto) da cidade alcançou a cifra de R$ 11,887 bilhões, um crescimento de aproximadamente R$ 322 milhões com relação ao ano anterior.

Segundo os cálculos do instituto, a soma de todos os bens e serviços gerados pela cidade representou 0,27% de todo o PIB nacional.

Na divisão por setores, a contribuição de Piracicaba foi maior no segmento industrial, com participação de 0,34% do total de produção de riquezas da indústria brasileira naquele ano.

Outro setor que chama a atenção é o de serviços, cuja participação do município chegou a 0,25% de todo o acumulado pelo segmento no país.

Embora os indicadores da indústria sejam representativos para a cidade, foi justamente o setor que segurou um crescimento maior do PIB do município, situação ocorrida em vários polos industriais brasileiros, segundo o IBGE.pira_small_20141212-12-01

A soma das riquezas geradas pelo segmento na cidade encolheu 7,65% — sem considerar a inflação — e caiu de R$ 3,5 bilhões para R$ 3,2 bilhões entre 2011 e 2012.

No mesmo período, o setor de serviços de Piracicaba alcançou expressivos 7,97% de crescimento — somou R$ 6,5 bilhões —, enquanto o setor ligado à administração, saúde e educação públicas e seguridade social avançou 10,10%, com R$ 987,3 milhões produzidos.

Para o coordenador do banco de dados socioeconômicos da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Francisco Constantino Crocomo, a posição de Piracicaba entre as cem maiores do país é relevante e indica que a economia da cidade é pujante e tem potencial para grande geração de renda.

Ele citou que a baixa na indústria acompanha uma situação ocorrida no Brasil de forma geral e defendeu a necessidade de uma política industrial mais forte.

“De qualquer forma, a dinâmica da economia de Piracicaba é um destaque e ela pode nos surpreender positivamente já no ano de 2015, pois temos um município que apresenta planejamento”, afirmou.

Segundo o presidente do Simespi (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, de Material Elétrico, Eletrônico, Siderúrgicas e Fundições de Piracicaba, Saltinho e Rio das Pedras), Euclides Libardi, o PIB da indústria poderia ser melhor, se não fossem as dificuldades sentidas no setor sucroalcooleiro.

“A indústria vem sofrendo de forma geral, mas o setor sucroalcooleiro puxou 90% dessa queda de 2012. Grandes empresas da cidade já não vinham recebendo encomendas de novas usinas ou de reformas, o que não movimentou a economia. Ainda assim, Piracicaba recebeu novas indústrias de outros setores, o que manteve a massa salarial”, informou.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Tarcísio Mascarim, também citou as dificuldades da indústria sucroalcooleira como um dos principais motivos para o menor ritmo de crescimento do PIB piracicabano.

“Em função de toda a riqueza que o município produz, conseguimos compensar as perdas sentidas no setor industrial, mas essa superação só ocorreu porque Piracicaba está bem situada economicamente”, relatou.